• Fisioterapia no Câncer de Mama

    A especialidade da Fisioterapia na Saúde da Mulher vem desenvolvendo trabalhos preventivos e reabilitadores nas áreas de ginecologia, obstetrícia, urologia e oncologia.

    No tratamento de câncer de mama em virtude da extensão cirúrgica e sua abrangência a estruturas musculares, assim como o déficit na circulação linfática, proveniente da linfadenectomia axilar e/ou radioterapia, algumas complicações podem surgir no braço do lado que foi operado. Desta maneira, a FISIOTERAPIA desenvolveu uma especialidade na área de oncologia mamária para atender as necessidades preventivas e reabilitadoras das pacientes submetidas à cirurgia oncológica da mama.

    A atuação fisioterápica especializada na oncologia mamária permite que a paciente acometida pela neoplasia maligna seja assistida desde a fase pré-operatória, pós-operatória imediata hospitalar até a fase pós-hospitalar.

    A reabilitação física, realizada através da fisioterapia, desempenha papel fundamental na profilaxia de algumas das seqüelas pós-cirúrgicas, bem como diminuição ou melhora dos sintomas. As principais complicações são dor, dificuldade para movimentar o ombro, aparecimento do seroma, linfedema (inchaço do braço), distúrbios de cicatrização (aderência, fibrose, retração), alteração da sensibilidade (formigamento, anestesia, choque,etc), alterações posturais e psicológicas, como modificação da auto-imagem (Camargo, 1994; Bergman,2000; Box, 2002; Nagel,2003).

    Esclareça todas as dúvidas com o profissional fisioterapeuta, assim, além de promover adequada recuperação funcional propiciará melhor qualidade de vida.

    Dentre os benefícios e condutas adicionais advindos da intervenção fisioterapêuticas pós-operatória: (Kisner, 2009)

    • Orientações: Sobre os cuidados com a higiene, vestuário e atividade de vida diária, cuidado com o dreno;
    • Controle do edema imediato;
    • Posicionamento adequado no leito;
    • Evitar complicações pulmonares e circulatórias;
    • Manter mobilidade articular adequada (mediante técnica cirúrgica);
    • Programa de Exercícios adequados;
    • Orientações específicas a paciente e sua família, em relação aos cuidados com o braço homolateral à cirurgia;
    • Promover relaxamento; reeducação postural e consciência corporal;
    • Promover auto-estima e segurança quanto à movimentação;
    • Restaurar a independência funcional.

    O câncer de mama deve ser abordado por uma EQUIPE MULTIDISCIPLINAR visando ao TRATAMENTO INTEGRAL DA MULHER.

    O tratamento do câncer de mama, especificamente a mastectomia, resulta em conseqüências emocionais e físicas para as mulheres, requerendo, portanto, um cuidado multiprofissional, destacando-se a fisioterapia. As mulheres que se submetem a exercícios supervisionados têm recuperação significante maior na amplitude de movimento quando comparadas com mulheres que não se submetem a um programa de fisioterapia (Box et al., 2002).

    Além destes existe atendimento especializado de tratamento do linfedema através do Complexo Descongestivo Fisioterápico (reconhecido internacionalmente pela Sociedade de Linfologia), e atendimento individual para bloqueio articular.

    Caso você tenha feito reconstrução da mama, solicite informações específicas para o seu caso.

    Paciente que sobrevive ao câncer não luta somente pela vida, mas uma VIDA com mínimo possível de alteração (pela doença e/ou tratamento).

    Fisioterapeuta Profa. Grace Margaret Batista Scarponi

    1. BACELAR, S.;et al.- Reabilitação do Câncer de Mama . Rev. Fisioterapia, nº33, jun/jul,2002.
    2. BERGMAN, A.; et al – Morbidade após o tratamento de câncer de mama. Rev.Fisioterapia Brasil, vol.1, nº2, nov./dez./2000.
    3. BOX, R.C et al. Shoulder movement after breast cancer surgery: results of randomized controlled study of postoperative physiotherapy. Breast cancer Res Treat, 75:35-50,2002.
    4. CAMARGO, M.C; MARX, A.G; Reabilitação no câncer de mama. São Paulo: Manole; 1994.
    5. NAGEL, P.H, BRUGGINK, E.D, WOBBES, T, STROBBE, L.J. Arm morbidity after complete axilary lymphy node dissection for breast cancer. Acta Chir Belg, 10:173-81,2003.
    6. KISNER, C. COLBE L. Exercícios terapêuticos: fundamentos e técnicas. São Paulo: Manole, 2009.

    Deixe seu comentário →

Deixe seu comentário

Cancelar